Sorry, you need to enable JavaScript to visit this website.
Adicione aos Favoritos
Salvar ícone no telefone

Reduzindo Meu Risco de FA

 

Existem diversas alterações que você pode fazer no seu estilo de vida para reduzir o seu risco de desenvolver FA. Estas são as seguintes:

Manter um peso saudávelobesity and stroke

  • Indivíduos obesos apresentam um risco 49% maior de desenvolver FA, em comparação aos indivíduos não obesos.1
    • Índice de Massa Corporal (IMC) utiliza o seu peso e a sua altura para calcular se o seu peso está saudável (IMC = peso (kg) / altura (m)2). Um IMC saudável está entre 18,5 e 24,9. Se o seu IMC for superior a 25, busque aconselhamento do seu médico.2
        

Exercite-se regularmenteatrial fibrillation exercise

Tendo em vista que qualquer forma de exercício reduz o risco de FA, tente manter-se fisicamente ativo. Entretanto, evite atividades de resistência extenuantes (p. ex., correr uma maratona), especialmente após os 50 anos de idade, tendo em vista que isto pode aumentar o seu risco de desenvolver fibrilação atrial.1, 3

  

Monitore o consumo de álcoolatrial fibrillation and alcohol

Existe uma ligação bem estabelecida entre o consumo de álcool e a FA. Limitar o consumo de álcool a não mais do que 1 a 2 drinques ao dia pode ajudar a prevenir a FA.1, 4
  

Pare de fumaratrial fibrillation risk

O tabagismo apresenta uma clara ligação com a FA. Em um estudo de 15.792 pacientes, aqueles que pararam de fumar reduziram o seu risco de FA em
36%.1, 3
  

Evite estimulantesafib risks

Fontes artificiais de cafeína (p. ex., de bebidas energéticas) e estimulantes encontrados em medicações sem e com prescrição médica podem acionar a FA.3
 ​​​​​

 

 

Referências

1. Menezes AR, et al. (2015) Lifestyle Modification in the Prevention and Treatment of Atrial Fibrillation Prog Cardiovasc Dis ;58(2):117–25.
2. NHS. What is the body mass index (BMI)? https://www.nhs.uk/common-health-questions/lifestyle/what-is-the-body-mass-index-bmi/.
3. Sabzwari S, et al. 2018 Ten Lifestyle Modification Approaches to Treat Atrial Fibrillation Cureus ;10(5):e268.
4. Morin DP, et al.  (2016) The State of the Art: Atrial Fibrillation Epidemiology, Prevention, and Treatment Mayo Clin Proc ;91(12):1778-1810.

Aviso Legal: As informações apresentadas aqui não se destina como aconselhamento médico, ou para ser usada para o diagnóstico médico ou tratamento. Por favor, fale com seu médico se você tiver alguma dúvida.

117510-190627