Sorry, you need to enable JavaScript to visit this website.
Adicione aos Favoritos
Salvar ícone no telefone

Terapia com droga antiarrítmica

A restauração e a manutenção do ritmo sinusal é uma parte integrante do tratamento da FA. As drogas antiarrítmicas (AADs) atuam para suprimir o disparo ou diminuir a transmissão de sinais elétricos anormais.1

terapia

Critérios de seleção das drogas

A escolha da AAD é orientada por considerações de segurança para cada paciente, incluindo1:

  • Contraindicações absolutas ou relativas
  • Fatores de risco para eventos adversos, tais como início de nova arritmia ou exacerbação de arritmia existente e efeitos fora do coração
  • Fatores que influenciam a disposição da droga, tais como idade do paciente e função renal ou hepática
  • Preferência do paciente
  • Se uma AAD apresentar insucesso em produzir uma resposta efetiva, é clinicamente aceitável considerar o uso de uma AAD alternativa.1

Impacto clínico e efeito sobre a qualidade de vida

As AADs aproximadamente duplicam a manutenção do ritmo sinusal, em comparação a nenhuma terapia.Evidências demonstram uma taxa de 33% a 56% para a manutenção do ritmo sinusal normal em 1 ano.2 Recidivas assintomáticas de FA são comuns.3,4,5

O seu impacto sobre as consequências relacionadas à FA, tais como acidente vascular cerebral, insuficiência cardíaca e mortalidade ainda precisam ser estabelecidas.

O objetivo da terapia com drogas antiarrítmicas é a melhora dos sintomas relacionados à FA1 e essas drogas são eficazes no controle dos sintomas, o que melhora significativamente a qualidade de vida do paciente.6

terapia

Os possíveis benefícios das AADs na redução de consequências relacionadas à FA importantes, notavelmente acidente vascular cerebral, insuficiência cardíaca e mortalidade, ainda devem ser determinados, mas as taxas desses eventos em pacientes que administram AAD têm sido relatadas como baixas.2,7

Eventos adversos

O perfil de efeitos colaterais para as AADs é variado, com até 46% dos pacientes apresentando eventos adversos.2 Para 4% a 22% dos pacientes, esses eventos adversos levarão à descontinuação do tratamento.1,2,5

Eventos adversos mais comumente observados por AAD

Custo-eficácia da terapia antiarrítmica


O custo inicial do tratamento com AAD é baixo; entretanto, a duração do tratamento é indefinida e o custo cumulativo das AADs, portanto, aumenta ao longo do tempo.8

Diversos estudos demonstraram que as AADs são uma intervenção de custo eficaz, com direcionadores importantes, incluindo o controle dos sintomas e a redução dos eventos de FA, incluindo acidente vascular cerebral e mortalidade.10,11,12

A terapia com drogas antiarrítmicas em longo prazo suprime o disparo ou deprime a transmissão dos sinais elétricos anormais. A terapia com AAD é moderadamente eficaz na manutenção do ritmo sinusal normal, mas apresenta um perfil de efeitos colaterais variado, com 46% dos pacientes apresentando eventos adversos. Os pacientes relatam alta eficácia no controle dos sintomas e isso pode proporcionar benefícios positivos para a qualidade de vida para os pacientes. São de custo eficaz em curto prazo, mas podem ser mais dispendiosas quando utilizadas em longo prazo.

Saiba mais sobre a ablação com cateter

 

Referências

1. Kirchhof P, Benussi S, Kotecha D, Ahlsson A, Atar D et al. (2016) 2016 ESC Guidelines for the management of atrial fibrillation developed in collaboration with EACTS. Eur Heart J 37 (38): 2893-2962.
2. Lafuente-Lafuente C (2015) Antiarrhythmics for maintaining sinus rhythm after cardioversion of atrial fibrillation. Cochrane Database Syst Rev. (3):CD005049.
3. January CT, Wann LS, Alpert JS et al (2014) 2014 AHA/ACC/HRS guideline for the management of patients with atrial fibrillation: executive summary: a report of the American College of Cardiology/American Heart Association Task Force on practice guidelines and the Heart Rhythm Society. Circulation. 2;130(23):2071-104.
4. Proietti M, Laroche C, Opolski G, Maggioni AP, Boriani G et al. (2017) 'Real-world' atrial fibrillation management in Europe: observations from the 2-year follow-up of the EURObservational Research Programme-Atrial Fibrillation General Registry Pilot Phase. Europace 19 (5): 722-733.
5. Camm AJ, Capucci A, Hohnloser SH (2011) A randomized active-controlled study comparing the efficacy and safety of vernakalant to amiodarone in recent-onset atrial fibrillation. J Am Coll Cardiol. 2011 Jan 18;57(3):313-21.
6. Jais P, Cauchemez B, Macle L, Daoud E, Khairy P et al. (2008) Catheter ablation versus antiarrhythmic drugs for atrial fibrillation: the A4 study. Circulation 118 (24): 2498-2505.
7. Gwag HB, Chun KJ, Hwang JK, Park SJ, Kim JS et al. (2018) Which antiarrhythmic drug to choose after electrical cardioversion: A study on non-valvular atrial fibrillation patients. PLoS One 13 (5):
8. Weerasooriya R, Jais P, Le Heuzey JY, Scavee C, Choi KJ et al. (2003) Cost analysis of catheter ablation for paroxysmal atrial fibrillation. Pacing Clin Electrophysiol 26 (1 Pt 2): 292-294.
9. Aronsson M, et al. (2015) The cost-effectiveness of radiofrequency catheter ablation as first-line treatment for paroxysmal atrial fibrillation: results from a MANTRA-PAF substudy. Europace. 2015 Jan;17(1):48-55. doi: 10.1093/europace/euu188. Epub 2014 Oct 23.
10. Bruggenjurgen B, Kohler S, Ezzat N, Reinhold T, Willich SN (2013) Cost effectiveness of antiarrhythmic medications in patients suffering from atrial fibrillation. Pharmacoeconomics 31 (3): 195-213.
11. Nilsson J, Akerborg O, Bego-Le Bagousse G, Rosenquist M, Lindgren P (2013) Cost-effectiveness analysis of dronedarone versus other anti-arrhythmic drugs for the treatment of atrial fibrillation--results for Canada, Italy, Sweden and Switzerland. Eur J Health Econ 14 (3): 481-493.
12. Akerborg O, Nilsson J, Bascle S, Lindgren P, Reynolds M (2012) Cost-effectiveness of dronedarone in atrial fibrillation: results for Canada, Italy, Sweden, and Switzerland. Clin Ther 34 (8): 1788-1802.

Aviso Legal: As informações apresentadas aqui não se destina como aconselhamento médico, ou para ser usada para o diagnóstico médico ou tratamento. Por favor, fale com seu médico se você tiver alguma dúvida.

117510-190627