Sorry, you need to enable JavaScript to visit this website.
Adicione aos Favoritos
Salvar ícone no telefone

Quando encaminhar?

A maior parte dos pacientes inicialmente acessa o sistema de saúde por meio de farmacêuticos, trabalhadores de saúde comunitária ou médicos do tratamento primário. Após uma avaliação inicial, as diretrizes da ESC propõem cinco fatores (ou domínios) que devem ser levados em consideração para assegurar uma abordagem integrada e estruturada para os cuidados.

(1) Instabilidade hemodinâmica ou sintomas graves e limitantes;
(2) Presença de fatores de precipitação (p. ex., tirotoxicose, sepse ou FA pós-operatória) e condições cardiovasculares de base;
(3) Risco de um acidente vascular cerebral e necessidade de anticoagulação;
(4) Frequência cardíaca e necessidade de controle da frequência;
(5) Avaliação dos sintomas e decisão em relação ao controle do ritmo.

A revisão por parte de um serviço de FA ou no mínimo um encaminhamento a um cardiologista normalmente é necessário após a avaliação inicial, com a finalidade de avaliar totalmente o efeito da FA sobre a saúde cardiovascular geral do paciente.1

Quando encaminhar?

Após o diagnóstico, uma abordagem integrada e estruturada para o cuidado da FA é considerada a melhor prática, proporcionando o potencial de alcançar os melhores resultados para os pacientes. Isso exige a coordenação e a colaboração entre os médicos do tratamento primário, cardiologistas, cirurgiões cardíacos, especialistas em FA, especialistas em acidentes vasculares cerebrais, profissionais de saúde aliados e pacientes.

Os pacientes devem desempenhar um papel central no processo de cuidados e entender as suas responsabilidades na adesão ao tratamento e a quaisquer alterações no estilo de vida necessárias para otimizar os seus resultados de saúde.

Mais informações sobre isso podem ser encontradas na seção abordagem centrada no paciente.

Referências

1. Kirchhof P, Benussi S, Kotecha D, Ahlsson A, Atar D et al. (2016) 2016 ESC Guidelines for the management of atrial fibrillation developed in collaboration with EACTS. Eur Heart J 37 (38): 2893-2962.

117510-190627