Sorry, you need to enable JavaScript to visit this website.
Adicione aos Favoritos
Salvar ícone no telefone

Sintomas da Fibrilação 

Atrial​

A fibrilação atrial está associada a diversos sintomas, que variam da gravidade leve à debilitante e​ que impactam negativamente a vida diária dos pacientes.1,2,3 A frequência e​ a gravidade dos sintomas variam muito entre os pacientes e os sintomas podem flutuar​ amplamente ao longo do tempo em um paciente.4 15% a 30% dos pacientes apresentam “FA silenciosa”, na qual eles não apresentam quaisquer sintomas, e podem apresentar um maior risco de​ complicações e gravidade da doença em virtude da ausência de tratamento.4,8,9 A FA representa um desafio terapêutico importante e um impacto para os sistemas de saúde.​

atrial fibrillation symptoms

Sintomas mais 

comuns da FA​

Os sintomas de FA variam da gravidade leve à debilitante;1,2,3 os mais​ comumente relatados são palpitações cardíacas, fadiga, falta de ar, mal-estar, tontura, ansiedade e​ dor torácica.4,5,6,7 A frequência e a gravidade desses​ sintomas variam muito entre os pacientes e os sintomas podem flutuar amplamente ao longo do​ tempo em um paciente.4

atrial fibrillation diagnosis

Desafio Terapêutico​

Os sintomas podem perturbar a vida diária e são o principal motivo pelo qual os pacientes​ buscam aconselhamento médico.4 A FA e seus sintomas correlatos são um desafio terapêutico e​ impõem um ônus para os sistemas de saúde.4 2/3 das visitas ao pronto-socorro em virtude de​ sintomas que levam ao diagnóstico de FA resultam em hospitalizações.4

silent atrial fibrillation

FA Silenciosa​

É importante reconhecer que 15% a 30% dos indivíduos não apresentam quaisquer sintomas e esta​ é comumente conhecida como ‘FA silenciosa’.4,8  Os pacientes com ‘FA silenciosa’​ apresentam uma saúde geral e qualidade de vida mais desfavoráveis do que os indivíduos hígidos e​ podem apresentar um maior risco de complicações e gravidade da doença em virtude da ausência​ de tratamento.4,8,9

european heart rhythm association scale

​​​​​​Referências

1. Nazli C, Kahya Eren N, Yakar Tuluce S, Kocagra Yagiz IG, Kilicaslan B et al. (2016) Impaired quality of life in patients with intermittent atrial fibrillation. Anatol J Cardiol 16 (4): 250-255.
2. Rho RW, Page RL (2005) Asymptomatic atrial fibrillation. Prog Cardiovasc Dis 48 (2): 79-87.
3. Guerra F, Brambatti M, Nieuwlaat R, Marcucci M, Dudink E et al. (2017) Symptomatic atrial fibrillation and risk of cardiovascular events: data from the Euro Heart Survey. Europace 19 (12): 1922-1929.
4. Rienstra M, Lubitz SA, Mahida S, Magnani JW, Fontes JD et al. (2012) Symptoms and functional status of patients with atrial fibrillation: state of the art and future research opportunities.
5. Zoni-Berisso M, Lercari F, Carazza T, Domenicucci S (2014) Epidemiology of atrial fibrillation: European perspective. Clin Epidemiol 6 213-220.
6. Lip GY, Laroche C, Ioachim PM, Rasmussen LH, Vitali-Serdoz L et al. (2014) Prognosis and treatment of atrial fibrillation patients by European cardiologists: one year follow-up of the EURObservational Research Programme-Atrial Fibrillation General Registry Pilot Phase (EORP-AF Pilot registry). Eur Heart J 35 (47): 3365-3376.
7. Van Gelder I C, Hemels M EW (2006) The progressive nature of atrial fibrillation: a rationale for early restoration and maintenance of sinus rhythm Europace  8, 943–949.
8. Boriani G, Laroche C, Diemberger I, Fantecchi E, Popescu MI et al. (2015) Asymptomatic atrial fibrillation: clinical correlates, management, and outcomes in the EORP-AF Pilot General Registry. Am J Med 128 (5): 509-518 e502
9. Savelieva I, Paquette M, Dorian P, Luderitz B, Camm AJ (2001) Quality of life in patients with silent atrial fibrillation. Heart 85 (2): 216-217.

117510-190627